SLIDER


SARA GONÇALVES . PORTUGAL

[ stylist // consultora de imagem ]

NEWSLETTER

Minimalismo: estilo de vida ou moda?

Em criança acumulava, na adolescência reduzia e hoje vivo com o [meu] essencial.

O [meu] conceito de minimalismo é ter o suficiente, o que eu necessito, e que pode ser, em tudo, diferente para o outro. O [meu] conceito de minimalismo é dar prioridade aquilo que é essencial e livrar-me do que não tem tanto valor.

No [meu] conceito de minimalismo não há um número exacto de objetos, de peças de roupa ou decoração a seguir. Não há principalmente uma obrigatoriedade de acompanhar a 'tendência' minimalista. Falo disto particularmente porque o minimalismo se encontra cada vez mais na moda, por quem o refira como um estilo de vida mais desacelerado, simples, prático e leve mas também por quem o encare a nível estético: arquitetura, decoração e peças de roupa, em muito aproveitado pelas marcas para lidar com o facto de o minimalismo ser interpretado como acto de comprar menos.

Como referi foi ainda na adolescência que, em muito por falta de espaço e fixação pela organização, aprendi a equilibrar os bens materiais. Quanto mais temos mais tempo e energia dispensamos e mais espaço necessitamos. O mesmo se passa com as peças de roupa, quantas mais existirem, menos se visualizam e mais assumimos que nada temos para vestir.

Não me considero minimalista, nas suas variadas definições, o meu propósito é viver o meu essencial, em todas as partes. Procuro o equilíbrio. 

Não passou um ano desde o meu final do conceito, ou ferramenta, armário cápsula, 37 peças por três meses, ou seja 37 peças para cada estação do ano. Fiz as quatro estações que partilhei por aqui (link). 

O objetivo nunca foi seguir um determinado número de itens ou peças de roupa para a vida mas receber desta experiência, e por isso lhe ter chamado ferramenta, uma aprendizagem. Podem ler aqui (linkas 5 lições que aprendi com o armário cápsula. 

Depois de ter praticado um ano de armário cápsula, não necessito, nem considero que deveríamos necessitar, de definir um número exacto de peças, mas antes selecionar as mesmas com base na sua utilidade: usamos todas as peças que temos no nosso guarda-roupa? Gostamos de todas elas? As nossas peças de roupa fazem-nos sentir feliz e seguras de nós próprias? São adequadas ao nosso estilo de vida? Se sim, devemos ficar com elas. São raras as vezes que compro por impulso, pondero se a peça de roupa, ou outro item, vai fazer sentido, e se me vai ser principalmente útil e trazer felicidade. 

Afinal acumulamos muito e aproveitamos pouco. Ohh.. E a vida essa.. quer-se, leve!

Até ao próximo post! 
Não se esqueçam de seguir as redes sociais. 
Facebook e Instagram (@paginaaolado_blog) 
Acompanha também Facebook e Instagram de (@saragoncalves.consultoraimagem)

3 comments

  1. É exatamente isso. Este ano decidi que quero reduzir tudo ao máximo, pois fiquei demasiado consumista. Só irei comprar produtos quando os que tenho acabarem e só irei consumir mais comida (porque comida é vida ahah). Gostava imenso de fazer um armário capsula. A ver vamos se mexo na minha roupa, uma vez mais (mexi no principio do ano e tirei imensas peças para doar). Adorei o teu blog! Muitos beijinhos. <3

    https://www.carolinafranco.pt

    ReplyDelete
  2. Eu sou apologista do menos, ou do não acumular! Gostei de ler o teu artigo!
    Beijinhooo
    Ritissima Blog

    ReplyDelete
  3. Tem mesmo de ser, o mais leve possível!
    Beijinhos,
    https://chicana.blogs.sapo.pt/

    ReplyDelete

© PAGINA AO LADO • Theme by Maira G.